NOTÍCIAS




Um levantamento da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), feito com base no ano de 2014, apontou um crescimento de 17,7% no total de acidentes envolvendo a eletricidade em relação ao ano de 2013. Segundo a entidade, a única que levanta dados estatísticos sobre acidentes com eletricidade no país, o ambiente residencial foi o local com maior ocorrência de casos: 180 mortes naquele ano. A maioria deles por causa de extensões, benjamins, tomadas e fios partidos dentro de casa.
A faixa etária com maior número de vítimas é a que vai de 21 a 40 anos, mas chamou a atenção o número de crianças que perderam suas vidas por acidentes com choques elétricos: 69, considerada a faixa etária de 0 a 15 anos. Ainda de acordo com a pesquisa, entre as regiões brasileiras, o Nordeste se destacou, com quase a metade do total de casos no país: 42%.

Ingresse no UNI-RN com a nota do Enem

Foi pensando em situações como essas que o aluno do curso de Tecnologia em Redes de Computadores do UNI-RN, Rildo Ribeiro, desenvolveu um modelo de dispositivo que bloqueia a corrente elétrica de tomadas, desliga equipamentos em modo stand by, sem que você precise, necessariamente, estar perto, e, com isso, reduz o consumo de energia. É o que ele chama de "tomada inteligente".

"Além de proteger crianças, idosos e a família, em geral, de choques elétricos, o gadget reduz os gastos com a energia elétrica, uma vez que desliga equipamentos que não precisam ficar o dia todo ligado", explica o aluno.

O bloqueio pode ser feito, também, através de tablets e smartphones, ideal para quem sai de casa e esquece de desligar TVs, aparelhos de ar-condicionado, entre outros equipamentos, sendo necessário para isso, apenas, baixar o aplicativo no seu aparelho de celular.

"O projeto apresenta o mesmo funcionamento de um sistema de automação residencial utilizando equipamentos próprios para isso", detalha Rildo Ribeiro. O trabalho do aluno tem a orientação da professora Soraya Christiane de Souza, do curso de Redes de Computadores do UNI-RN.

Um levantamento da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), feito com base no ano de 2014, apontou um crescimento de 17,7% no total de acidentes envolvendo a eletricidade em relação ao ano de 2013. Segundo a entidade, a única que levanta dados estatísticos sobre acidentes com eletricidade no país, o ambiente residencial foi o local com maior ocorrência de casos: 180 mortes naquele ano. A maioria deles por causa de extensões, benjamins, tomadas e fios partidos dentro de casa.
A faixa etária com maior número de vítimas é a que vai de 21 a 40 anos, mas chamou a atenção o número de crianças que perderam suas vidas por acidentes com choques elétricos: 69, considerada a faixa etária de 0 a 15 anos. Ainda de acordo com a pesquisa, entre as regiões brasileiras, o Nordeste se destacou, com quase a metade do total de casos no país: 42%.

Ingresse no UNI-RN com a nota do Enem

Foi pensando em situações como essas que o aluno do curso de Tecnologia em Redes de Computadores do UNI-RN, Rildo Ribeiro, desenvolveu um modelo de dispositivo que bloqueia a corrente elétrica de tomadas, desliga equipamentos em modo stand by, sem que você precise, necessariamente, estar perto, e, com isso, reduz o consumo de energia. É o que ele chama de "tomada inteligente".

"Além de proteger crianças, idosos e a família, em geral, de choques elétricos, o gadget reduz os gastos com a energia elétrica, uma vez que desliga equipamentos que não precisam ficar o dia todo ligado", explica o aluno.

O bloqueio pode ser feito, também, através de tablets e smartphones, ideal para quem sai de casa e esquece de desligar TVs, aparelhos de ar-condicionado, entre outros equipamentos, sendo necessário para isso, apenas, baixar o aplicativo no seu aparelho de celular.

"O projeto apresenta o mesmo funcionamento de um sistema de automação residencial utilizando equipamentos próprios para isso", detalha Rildo Ribeiro. O trabalho do aluno tem a orientação da professora Soraya Christiane de Souza, do curso de Redes de Computadores do UNI-RN.





Comentários